PADRE SEZINANDO LUIS FELICIDADE ALBERTO

4º REITOR (2003 - 2019)

Filho de Francisco Claudino Alberto e Maria Felicidade Jacinto, Sezinando Luís Felicidade Alberto nasceu em Azinheira dos Barros, Grândola, a 19 de junho de 1970, sendo o mais novo de quatro filhos.
Frequentou o Ensino Primário na sua terra natal, concluindo o 9º ano em Grândola. Seguiu os estudos nos Seminários de Beja, Setúbal e Olivais (Lisboa). Em 1998 terminou a licenciatura em Teologia na Universidade Católica Portuguesa, sendo ordenado Sacerdote no dia 13 de junho de 1999, na Sé de Setúbal, pelo então bispo, Sr. D. Gilberto Canavarro dos Reis.
A 29 de Julho de 1999 foi nomeado Pároco da Paróquia da Quinta do Conde, Sesimbra, onde tomou posse a 3 de outubro e aí permaneceu até 1 de setembro de 2002. Nesta Comunidade destacam-se os melhoramentos efetuados nas Igrejas e a aquisição da Casa Paroquial.
Em 2000 foi nomeado Capelão do Hospital Distrital do Montijo e Diretor Diocesano das Vocações da Diocese de Setúbal, cargos que desempenhou até 2002.
Por morte do Padre Manuel Frango, Pároco das Paróquias de Azeitão, foi nomeado Administrador Paroquial dessas comunidades, funções que exerceu de dezembro de 2000 a março de 2001.
Durante o ano de 2001 foi Assistente Diocesano do Movimento dos Cursilhos de Cristandade da sua Diocese.
Em julho de 2002 foi nomeado o primeiro Pároco da Paróquia de Miratejo/Laranjeiro, tomando posse no dia 8 de setembro desse mesmo ano. Para além do trabalho pastoral realizado, destaca-se a aquisição da Casa Paroquial, construção do Centro Pastoral e Sede de Escuteiros, bem como a aquisição de novos terrenos para o desenvolvimento da Comunidade. Deixou a responsabilidade pastoral desta Comunidade, no dia 20 de dezembro de 2008, ficando apenas com a responsabilidade da Presidência do Centro Paroquial, a qual terminou a 01 de outubro de 2010. É durante a sua presidência que todo o equipamento desta Instituição foi remodelado.
A 15 de Agosto de 2002 foi nomeado Reitor do Santuário de Cristo Rei, em Almada, tomando posse a 1 de janeiro de 2003, onde permaneceu até ao dia 22 de setembro de 2019
Em janeiro de 2007 começou a fazer parte de um grupo de trabalho com vista à criação da Associação dos Reitores dos Santuários de Portugal.
A Associação foi fundada a 13 de janeiro de 2009, sendo eleito o primeiro Presidente do Conselho Permanente, funções que ainda exerceu até janeiro de 2020.
A 10 de novembro de 2008 foi convidado pelo Presidente da Comissão Episcopal da Mobilidade Humana a fazer parte de um grupo de trabalho, tendo em vista a criação de um Serviço Nacional de Apoio à Pastoral do Turismo, Peregrinações e Termas.
Fundado este serviço foi nomeado secretário da Obra Nacional da Pastoral do Turismo, cargo que deixou por falta de tempo.
Durante 8 anos, deu apoio ao Movimento Juvenil dos Convívios Fraternos da Diocese de Setúbal.
A convite do Sr. D. Francisco Cerro Chaves, Bispo de Cória – Cáceres, em 2009 foi nomeado membro do conselho permanente do Instituto Internacional do Coração de Jesus.
Em 2010 concluiu o curso de Pós-Graduação em História Contemporânea da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.
Com o objetivo de ajudar os peregrinos do Santuário de Cristo Rei a conhecer melhor a sua história e mensagem, publica os livros: Peregrinos de Cristo Rei e Visita Guiada. Organiza a publicação da Via Sacra do Santuário, os livros Sinais de Misericórdia e Gestos de Misericórdia num Coração Missionário.
A 08 de janeiro de 2014, foi nomeado pelo Sr. Bispo de Beja, Presidente da Fundação Padre Américo, uma IPSS com sede na sua terra natal, estando atualmente à frente de um projeto de uma residência para idosos.
Fez parte da equipa que preparou a comemoração dos 40 anos da Diocese de Setúbal, sendo também o coordenador diocesano da visita da imagem peregrina da Nossa Senhora de Fátima à mesma Diocese por ocasião dos 100 anos das aparições, organizando a publicação do livro “A Grande Visita” que relata este grande acontecimento.
Em 2016 iniciou o Mestrado em Mística no CITES em Ávila (Instituto ligado à Universidade Católica de Ávila) – Espanha que ainda decorre.
A 10 de janeiro de 2018 foi nomeado membro da comissão da consulta de apoio ao Bispo na Gestão do Fundo Diocesano do Clero da sua diocese.
Como Reitor, a sua principal preocupação foi criar melhores condições para os peregrinos e visitantes, criando uma atmosfera religiosa no santuário. Entrar como turista e sair como peregrino foi o lema da sua ação pastoral.
Com este objetivo pediu a colaboração do Arquiteto João José de Sousa Araújo, que através da pintura e da escultura, azulejo e vitral, realizou uma vasta obra no Santuário, a qual pode ser observada nas várias salas e capelas.
Neste mesmo sentido, foram convidados outros artistas, tais como o escultor espanhol Marco Augusto Dueñas, Diretor do Departamento de Arte Sacra da Diocese de Cadiz, com obras da sua autoria na Basílica de São Pedro em Roma, o pintor e vitralista francês Serge Noualhait, a pintora cisterciense espanhola, Irmã Isabel Guerra e o escultor Edwin Gonzalez Solis, de Córdova.  
Em 1985, foi aprovado o primeiro plano de ordenamento geral do Santuário, cujo autor foi o Arquiteto Luiz Cunha, onde foi construído o atual edifício de acolhimento.
Decorridos vários anos, as construções previstas mostraram-se desatualizadas face às necessidades pastorais do Santuário, mas atendendo que as linhas orientadoras desse estudo ainda estavam válidas, em 2010 chamou novamente o Arquiteto Luiz Cunha, o qual colaborou com o Santuário até 2018, para a restruturação do estudo efetuado em 1985, de modo a que as construções a edificar respondessem às necessidades espirituais e pastorais atuais do Santuário.
Neste sentido, foi elaborado um novo ordenamento geral do Santuário e feitos os projetos de arquitetura necessários para o funcionamento do mesmo. Estes estudos foram enviados para apreciação do Senhor Bispo de Setúbal, que, em tempo oportuno, serão analisados e colocados à discussão nos órgãos próprios da diocese.
Para garantir a segurança das futuras construções, pediu um estudo geológico de todos os terrenos.
Das várias obras efetuadas, destacam-se, a conclusão do Edifício de Acolhimento, nomeadamente a residência para religiosas, espaço jovem, composto por camaratas, cozinha e refeitório, bem como seis quartos para visitas e refeitórios com capacidade para cerca de 350 pessoas.
Com o objetivo de melhor acompanhar a vida do Santuário, criou a Residência do Reitor no Edifício de Acolhimento.
Para além disso, adquiriu um elevador no edifício, o que permite o acesso a pessoas com pouca mobilidade. Todas as salas foram equipadas com ar condicionado e substituídas todas as janelas.
Em 2019 foram colocadas as pirâmides de cobre no cimo dos torreões.
Com a conclusão deste Edifício pôde, assim, o Santuário iniciar a sua atividade pastoral no que diz respeito ao acolhimento de grupos.
Construiu a residência para o capelão do Santuário, de modo a que haja uma maior assistência espiritual aos peregrinos.
Nesta linha de melhorias, foi vedado todo o perímetro do Santuário, criando novos espaços verdes, parques de merendas cobertos e plantação de centenas de árvores.
Também foi melhorado o parque de estacionamento, foram construídas novas instalações sanitárias, renovou os edifícios da Cafetaria (construção de uma esplanada coberta) e da Loja de artigos religiosos, sendo equipados todos eles com ar condicionado.
No sentido de se poder proporcionar um melhor apoio a visitantes e peregrinos, foi renovado um pavilhão já existente, fazendo dele o Serviço de Acolhimento e loja de artigos religiosos.
Com o aumento dos peregrinos, este pavilhão deixou de dar resposta, por isso em 2019 construiu um outro entregando o anterior à Fundação Ajuda à Igreja que Sofre para poder divulgar a sua missão e carisma.
Criou o primeiro site oficial do Santuário, informatizou todos os serviços, dotando-os com wifi. Para a segurança dos peregrinos, foram colocadas câmaras de videovigilância em vários locais.
Com vista a criar um ambiente mais acolhedor, foram colocadas colunas de música no recinto do Santuário, onde diariamente se pode ouvir música propícia à meditação.
Foram efetuadas obras no Monumento, destacando-se, a substituição de toda a eletricidade do pedestal, tubagem de águas pluviais, restauro da Sacristia, renovação da Capela de Nossa Senhora da Paz, dotando-a de obras de arte, criação da Sala São João XXIII, composta com vários quadros alusivos à Doutrina Social da Igreja, remodelação do hall de entrada e zona de acesso ao elevador, sendo este substituído em 2017.
Neste mesmo ano todo o Monumento foi limpo por uma equipa especializada de alpinistas. Num dos pilares do Monumento, numa extensão de 84 metros de altura, foram colocadas redes de segurança em todas as escadas de emergência.
Todo o gradeamento de ferro original do miradouro do pedestal, foi substituído por um gradeamento em inox, com maior altura, reforçando assim a segurança dos visitantes.
As paredes do miradouro foram enriquecidas com painéis de azulejos alusivos ao Cântico das Criaturas. No sopé da Imagem foi colocada a frase “Deus é amor” em 16 línguas.
Junto ao espaço comercial situado a 84 metros de altura, construiu uma Capela dedicada aos Confidentes do Sagrado Coração de Jesus, onde foram colocadas as relíquias de Santa Margarida Maria Alacoque, Santa Faustina Kowalska e Beata Maria do Divino Coração, todas oferecidas ao Santuário no ano de 2007.
De forma a embelezar o pedestal do Monumento com obras de arte capazes de exprimirem os grandes mistérios da Fé Católica,  tendo em conta que esta assenta em quatro pilares, a saber, Mandamentos, Credo, Oração e Sacramentos, mandou construir quatro pórticos, que fazem alusão a estes temas, representando-os em baixos-relevos de bronze, com o objetivo de serem uma catequese para os peregrinos.
Substituiu a porta principal do Monumento por uma nova em bronze alusiva a Jesus Bom Pastor, indicando que Ele é a porta. Em cima da mesma foi colocado um medalhão em bronze que representa as Doze Promessas de Jesus a Santa Margarida Maria Alacoque, expressando desta forma a forte espiritualidade do Santuário.
Também criou a sala dedicada à Misericórdia de Deus, sendo composta por várias pinturas a óleo.
Em 2010 conseguiu uma parceria com o Governo Central, Câmara Municipal de Almada e Santuário, sendo substituída toda a iluminação exterior do Monumento.
No decorrer desse mesmo ano, foi construída a Via-Sacra nos terrenos envolventes do Monumento, de modo a que os mesmos se sacralizassem. Neste sentido, foi igualmente encomendada a via Lucis, faltando apenas colocá-la no respetivo espaço.
É por seu intermédio que o Patriarcado de Lisboa entregou o Cálice que o Papa João XXIII ofereceu ao Santuário em 1963.
Prevendo a criação de um Museu dedicado à Paz, iniciou um processo de angariação de peças de figuras ligadas à Paz no mundo, onde se destacam objetos pertencentes a D. Carlos Ximenes Belo, D. Zacarias Kamwenho, Papa João Paulo II e Papa Bento XVI. Para além destes objetos, destacam-se ainda algumas peças oferecidas pelo Senhor Cardeal D. José Saraiva Martins, D. Gilberto Reis e D. Albino Mamede Cleto.
A seu pedido foi oferecida, no dia 16 de fevereiro de 2007, a antiga Cruz Alta do Santuário de Fátima, tendo sendo inaugurada a 17 de maio do mesmo ano.
 
Para ajudar na dimensão espiritual do Santuário, em 2005, convidou uma Comunidade Religiosa para este apoio que se instala, na Residência criada para esse efeito, no Edifício de Acolhimento.
 A seu pedido, veio para a Diocese a Comunidade Católica Shalom, que colaborou no Santuário durante sete anos.
Ao longo de seis anos preparou a Celebração dos 50 anos que ocorreu em 2009. Nesta Celebração presidida pelo enviado especial do Papa, D. José Saraiva Martins, tiveram presentes quase todo o Episcopado Português, autoridades civis, militares e religiosas, destacando-se o Presidente da República, o Presidente da Assembleia da República e Ministro Adjunto, em representação do Governo.
Também participaram na Celebração Eucarística o bispo de Cabo Verde, o bispo emérito de São Tomé e Príncipe, arcebispo de Luanda, em representação dos bispos de Angola, arcebispo de Maputo, em representação dos bispos de Moçambique e o bispo de Nacala.
Marcou também presença o arcebispo do Rio de Janeiro, onde nesse mesmo dia foram geminados o Santuário de Cristo Rei com o Santuário de Cristo Redentor.
Os reitores dos Santuários de Fátima, Paray- le- Moniale e Cristo Redentor do Rio de Janeiro, também estiveram presentes.
Por seu intermédio, é lançado um selo comemorativo dos 50 anos pelos CTT e nesse dia, por diligências suas, o Papa Bento XVI, no final da Oração do Angelus, na praça de São Pedro dirigiu uma mensagem ao povo Português, fazendo alusão á Celebração dos 50 anos do Santuário de Cristo Rei.
A seu pedido esteve presente nas Celebrações a Imagem de Nossa Senhora de Fátima, venerada na Capelinha das Aparições.
Terminada a grande Celebração em Lisboa, ocorrida no Terreiro do Paço, a Imagem atravessou o Tejo numa corveta da Marinha Portuguesa, sendo acompanhada por dezenas de barcos, destacando-se o navio Escola Sagres.
A seu pedido, a Penitenciaria Apostólica concede ao Santuário a graça da indulgência plenária perpétua aos seus peregrinos.
Mandou construir um miradouro frente a Lisboa; o pavilhão do Rosário com capacidade para 750 pessoas sentadas que se destina a Celebrações e eventos culturais. Neste pavilhão destaca-se a obra do arquiteto Luíz Cunha e do pintor francês Serge Nouailhat, com os seus vinte quadros alusivos aos mistérios do terço.
Manda colocar as estátuas de Pio XII, Imaculado Coração de Maria, estátua alusiva ao pecado original encimada com a imagem de Nossa Senhora, Nova Eva, busto do Cardeal Cerejeira e estátua da Beata Maria do Divino Coração.
Para proteger o Edifício de Acolhimento do vandalismo, mandou colocar um gradeamento em ferro em todo o espaço que o envolve.
Foram construídos os armazéns do Santuário e iniciou os refeitórios para os funcionários.
Iniciou a construção da Alameda Pio XII, destacando-se a fonte visitável, as oito pérgulas e os canteiros de flores. Mandou pavimentar alguns caminhos pedonais
Com o objetivo catequético, de modo a transmitir que os quatro pilares da Fé Católica assentam nos Evangelhos, em torno do Monumento mandou colocar as estátuas dos Evangelistas São Marcos e São Lucas. Tendo ficado encomendadas, S. Mateus e São João.
Devido a alguns problemas relacionadas com os registos dos terrenos, resolveu definitivamente esta questão.
De salientar que quando chegou ao Santuário em 2003, herdou uma divida de um milhão e seiscentos e cinquenta mil euros, a qual foi liquidada.
Todas as obras enunciadas anteriormente foram sendo realizadas de acordo com as possibilidades económicas do Santuário, todas realizadas por administração direta, não tendo sido contraídas dividas para a realização das mesmas.
Devido ao desenvolvimento do Santuário, contratou novos colaboradores, os quais triplicaram passando de dez para trinta, contando com os sacerdotes e religiosas.
Atento aos sinais que Deus lhe foi transmitindo, depois de uma reflexão amadurecida na oração, pediu ao Sr. Bispo de Setúbal a dispensa das funções do Reitor do Santuário, que ocorreu no dia 20 de setembro de 2019.
Após a sua saída inicia um novo desafio pastoral na Arquidiocese de Évora assumindo as Paróquias da Cidade de Borba, Orada, e as Capelanias do Lugar da Nora, Santa Casa da Misericórdia de Borba, Centro de Apoio a Deficientes Luis Silva e Bombeiros Voluntários de Borba, tomando posse a 29 de setembro de 2019.

Almada, 07 de agosto de 2019